Olhando pra sempre

Podia ficar olhando pra sempre esta foto de Rodrigo Braga

[Baixe este post como um e-book]

Desejo Eremita | Rodrigo Braga

Não vou esquecer nunca do dia em que eu vi esta fotografia pela primeira vez. Linda, ampliada bem grande na parede. Do azul ao verde, passando pela luz. Esta árvore parece santificada, com uma espécie de aura clara a coroando sua magnitude com a neblina difusa. A árvore está mergulhada em sua vitória. Vitória sabe-se lá contra o que, mas de trajetória árdua como só a dela.

Não dá, não adianda enterrar a vida, não adianta esconder o verde. A semente brota da terra árida e os galhos rompem muros, mesmo os mais resistentes. Não há nada que contenha a força que é a vontade de estar lá, de estar fora, de gritar pro mundo, de viver, de ser livre. Não há nada que detenha um ser vivo de querer ser vivo verdadeiramente. E, mesmo com toda essa potência, não haverá o caos. A vitória é equilibrada, ela reina ali: bem no centro da foto.

Esta imagem mexe muito comigo e eu não sei quantas vezes já comentei isso com Rodrigo, nas situações que nos encontramos. Quis comentar aqui hoje com vocês. Queria celebrar coletivamente o gozo que é ver o gozo que esta imagem representa para mim. Um alívio ao sufoco, um respiro depois do suor. Uma certeza de que tudo é possível, uma lembrança dos melhores momentos de conquista. Prazer, oração. Que o desejo eremita se abra ao desejo de ser, apenas ser, livremente. Amém.

Share Button

Comentários

  1. Tomara que a gente possa ficar olhando essa foto para sempre. E outras tantas de desejos eremitas, paisagens, fantasias e compensações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *