Plataforma

La Jetée

[Baixe este post como um e-book]

                                   Ceci est l’histoire d’un homme marque par une image d’enfance. 

 

Dirigido pelo francês Chris Marker, La Jetée é um curta de ficção científica, quase todo feito com fotografias em preto e branco. O filme de 1962 nos conta a história de um homem assombrado por uma imagem de infância.

Um marco para a história da fotografia e do cinema, uma mistura de ficção científica com documentário, o filme narra a aventura de um sobrevivente da Terceira Guerra Mundial, que vive como prisioneiro nos subterrâneos de Paris.

La Jetée é todo construído com uma sequência de fotografias e nomeado pelo diretor como foto-romance. São os movimentos da câmera, a edição e a montagem que fazem as fotografias ganharem uma força que impressiona e nos leva a esquecer, com facilidade, que o curta é todo elaborado com imagens estáticas, a exceção de uma única imagem em movimento.

E é também um filme sobre memória.  São registros de um mundo destruído, que perpassa o tempo, transitando entre passado, presente e futuro. Raymond Bellour consegue resumir bem todos os aspectos do filme, segundo ele, La Jetée condensa uma história de amor, uma trajetória rumo à infância, um fascínio violento pela imagem única, uma representação combinada da guerra, do perigo nuclear e dos campos de concentração, uma homenagem ao cinema (Hitchcock, Langlois e Ledeoux), à fotografia (Robert Capa), uma visão de memória, uma paixão pelos museus, uma atração pelos animais e, em meio a tudo isso, um sentimento agudo do instante.

A simplicidade e sofisticação desse filme me fez pensar no excesso de imagens clichês e pouco significativas em que estamos mergulhados. E a forma como a fotografia foi utilizada para uma construir uma narrativa forte me faz deixar aqui uma pergunta: será que nós exploramos o suficiente as possibilidades dessa senhora, que pulsa, chamada fotografia?

Share Button

Comentários

  1. Recentemente, na organização do EFE, pude assistir ao ótimo Letter to Jane, que traz praticamente uma única fotografia. É de uma força incrível, também. Lá Jetée é filme para assistir várias vezes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *