Especial

7Aniversário – Dedicatória a Val

[Baixe este post como um e-book]

Hoje o 7 completa 3 anos. Afeto é uma palavra que sempre nos guiou nesse caminho que resolvemos seguir juntas. Resolvemos comemorar nosso aniversário trocando fotografias e textos entre nós e para nós. O especial Dedicatória é sobre essa palavra recorrente. Serão cinco presentes, cinco surpresas, um espécie de amigo secreto, onde trocaremos textos e fotografias. Eu inicio essa troca, esse exercício tão bonito que é fotografar, pensar e escrever sobre encontros, sobre laços.

Pri Buhr

Pri Buhr

“(…) pássaro som, pássaro parado um, pássaro silêncio um, pássaro ir, pássaro ritmo, passar voou, passar avoou (…)” Caetano Veloso

Quando abri aquele papelzinho e vi teu nome, tive certeza que escreveria sobre saudade. Pego o dicionário e busco essa palavrinha que dizem que só existe em português… E entre os tantos significados que meu coração conhece e sente tão bem, descubro que existe um passarinho chamado Saudade. E lá fui eu pesquisar sobre a Saudade madrugada a dentro e encontro naquele bichinho pequenininho de penas verdes um pouco de nós, um pouco do sentimento que nos uniu.

Saudade vive nos topo das árvores das montanhas, lá no alto. Ela gosta de sentir o vento entrando em suas penas. Vive sozinha, quase sempre, voando em busca do galhinho mais florido e firme que possa acolhê-la. Às vezes voa em pequenos grupos, escolhendo bem as saudades que possam protegê-la em seus voos. Juntas, elas brincam, dançam no ar, voam encorajando umas às outras a alcançarem o topo daquela árvore que fica lá longe, a mais difícil de todas e a que tem a vista mais bonita para a vida. A Saudade tem olhos de confiança que alentam. A Saudade também tem um canto bonito, agudo, longo e melancólico. Dizem que seu canto parece uma música triste, daquelas que dão nó em garganta e salgam mais as lágrimas. Saudade diz que não é um canto triste, é um canto de saudade, um canto que ecoa entre as árvores e é levado com o vento para muito, muito longe. Eu consigo te ouvir daqui, Saudade.

E eu consigo te sentir daqui, Val. Dá mesma forma que senti no canto que vibrava em teus olhos, naquele encontro de poucos minutos em sabe-se lá o ano, a certeza que um dia te escolheria para voar ao meu lado.

Share Button

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *